SEJA BEM VINDO!

terça-feira, 18 de maio de 2010

KEVIN APRENDE A OBEDIÊNCIA


Fonte: Portal da escola dominical (www.escoladominical.net)
(Escrituras: Ef. 6:1; Isa. 1:17a; Prov. 20:11; II Cor. 6:12)
1- “Kevin, é hora de almoçar!” Mamãe chamou. “Venha lavar as mãos.”
“Um instante”, Kevin respondeu. Mas, a verdade é que dez minutos tinham passado antes de Kevin levantar-se e entrar em casa.
O triste fato é que cada vez que Kevin era chamado para fazer qualquer coisa, sempre respondia: “Um instante.” E sempre demorava. (Obs.: “Um instante” pode ser substituído por “Espera um pouquinho”)
Kevin era um menino muito simpático, com cabelo ruivo e grandes olhos castanhos; tinha o rosto e braços pintadinhos de sardas. Estava sempre alegre assobiando, sorrindo e louquinho para brincar.
2- No verão anterior, Kevin tinha freqüentado a Escola Bíblica de Férias, onde havia aprendido que ele era um pecador e que precisava do Senhor Jesus para salvá-lo do pecado. (Professor se há crianças não salvas na sua classe, tome tempo aqui para explicar o caminho da salvação, usando o Livro Sem Palavras).
Kevin tinha convidado Jesus para entrar em seu coração. Agora, ele queria agradar a Jesus em tudo. Mas, mesmo com Jesus no coração, Kevin continuava com o mesmo costume de responder “um instante”, quando mamãe o chamava. Na sua opinião, aquilo que estava fazendo no momento era muito mais importante do que a coisa que a mamãe queria que fizesse.
3- Ás vezes mamãe queria que Kevin lhe ajudasse, cuidando da irmãzinha durante pouco tempo. E Kevin sempre respondia, “Um instante mamãe.” Quando ela queria que guardasse seus brinquedos, arrumasse o quarto, tirasse o lixo, pusesse a mesa ou buscasse alguma coisa na venda, Kevin sempre respondia da mesma maneira: “Um instante mamãe.”
Para o papai, a mesma resposta. Se era para dar comida para o cachorro, ajudar a capinar o jardim, trazer o martelo, era sempre: “Um instante papai.” Parecia que Kevin falava “um instante” mas vezes do que qualquer outra coisa! Estava tão interessado naquilo que andava fazendo que não reconhecia que, agindo desta maneira, estava sendo egoísta e desobediente.
Desobediente aos pais e também a Deus. Como muitas outras crianças, Kevin queria sua própria vontade, sem ninguém interrompê-lo.
Não fazia diferença se era de levantar-se ou ir para a cama, hora de ir à escola ou a igreja, tempo de trabalhar, hora de escovar os dentes, lavar as mãos ou qualquer outro dever. Em toda e qualquer situação sempre a mesminha resposta tão conhecida: “Um instante!” Vocês estão percebendo que Kevin tinha um costume muito ruim não é verdade?
Claro que seus pais estavam preocupados com aquilo. Tinham procurado de todas as maneiras mostrar-lhe que era muito errado agir assim. Até deram-lhe algumas palmadas, mas Kevin logo se esqueceu. Depois como castigo, não permitiram que Kevin convidasse seus amiguinhos para brincar no quintal durante vários dias.
Também ele não podia sair para brincar fora. Mesmo assim, nada adiantou. Não sabiam o que fazer mais para melhorar a situação, mas estavam orando e pedindo ao Senhor Jesus que lhes mostrasse como poderiam ensinar seu filhinho a ser mais obediente. (Prov. 22:6)
Num lindo dia de verão, a mãe de Kevin chamou-o várias vezes para fazer seus deveres se casa, recebendo sempre a resposta costumeira: “Um instante mamãe.” E agora, na hora do almoço, estava chamando-o para lavar as mãos, e ouviu novamente: “Um instante mamãe.”
“Ó Pai Celeste”, mamãe orou, “mostra-me o que devo fazer para ajudar Kevin. Logo vai entrar na escola e, se não souber obedecer prontamente, vai ser difícil para ele. Ele é um bom menino, Senhor. Muito obrigada por meu filhinho. Mas, Senhor, faz-me saber como ensinar a obediência.”
4- “Aqui estou mamãe! Que há para o almoço?” Kevin perguntou da porta. Mamãe virou-se. Lá estava ele, sorridente, mas com suas roupas sujas e bastante lama nos sapatos.
5- “Kevin, faz dez minutos que chamei para que você viesse e se arrumasse para o almoço. Por que não atende quando a gente chama? Veja só seus sapatos e roupas! Você sabe perfeitamente que está sendo malcriado quando fica demorando, como sempre faz, antes de obedecer,” mamãe repreendeu-o seriamente.
“Mas mamãe,” Kevin respondeu, “eu estava ocupado quando a senhora me chamou, tinha que terminar o que estava fazendo.”
“Pois bem Kevin, outros também estão ocupados, não é verdade? Você não deve pensar também nos outros? Sabe Kevin Deus não fica contente e a mamãe não gosta quando você age desta maneira. A palavra de Deus diz que a desobediência é pecado. Por favor, filho, procure lembrar-se disto e obedeça imediatamente no futuro.”
6- Depois do almoço, Kevin saiu novamente. Com que poderia brincar? Olhou para a macieira... Por que não brincar de “Tarzan”? A macieira não era realmente o mato e as selvas, mas ele poderia fazer de conta... Buscou uma cadeira da cozinha e, subindo conseguiu alcançar com as mãos o primeiro galho da árvore. Pulando para cima e balançando os pés, conseguiu arrastar-se em cima do galho. Depois, esticou-se, puxando e subindo, foi bem alto.
A mãe vendo Kevin trepado na árvore, gritou: “Kevin, cuidado! Você não pode descer daí sozinho. Quando quiser descer, me chame que irei ajudá-lo.”
“Está bem mamãe; aviso à senhora.” Kevin respondeu.
O menino brincou durante algum tempo, olhando os cachorros e gatos e pessoas nos quintais vizinhos. Viu também um cabrito, e fez de conta que ele era um grande rinoceronte com chifres enormes. Claro que ele mesmo era o Tarzan, forte corajoso, proto para pular de uma árvore para outra, através do mato, e salvar a vida de qualquer um que estivesse em perigo.
7- Estava realmente se divertindo. Mas de repente, viu o sorveteiro entrar em sua rua.
“Opa! Quero um sorvete de chocolate!” ele gritou, preparando-se para descer. Foi quando olhou para baixo e viu que estava bem mais alto do que tinha imaginado. A idéia de descer enchia-o de medo, e logo resolveu que o jeito era mesmo, chamar a mamãe. “Mamãe, mãe... vem me ajudar. O sorveteiro está chegando e quero um sorvete. Depressa, mãe!” mamãe enxugou as mãos e foi indo em direção a porta, assim com qualquer mãe faria. De repente, antes de abrir a porta ela pensou: “Ele não está em perigo, pode esperar um pouco. Talvez, se eu não atender logo, Kevin vá entender como prejudica aos outros quando não atende prontamente.”
“Um instante filho!” Mamãe respondeu e continuou seu trabalho.
8- Kevin gritou novamente, bem mais alto desta vez: “Mamãe estou com pressa! O sorveteiro está passando. Por favor mãe!”
“Um instante Kevin. Logo termino e então vou ai.” Respondeu mamãe, sorrindo com seus botões.
Kevin dava ponta-pé na árvore, gritando e começando a chorar, mas nada aconteceu. Mamãe, espiando pela janela, viu que ele não corria perigo e, assim, não se apressou. Tudo ficou em silêncio. O sorveteiro já tinha virado a esquina. Sua voz ainda soava de longe: “S-O-R-V-E-T-E”, mas já estava no outro quarteirão.
Calmamente mamãe saiu da porta e dirigiu-se para a árvore. Olhando para cima disse: “Agora querido, já terminei. Vamos descer?”
9- Em pouco tempo Kevin estava no chão, mas tinha lágrimas descendo pela suas facas pintadinhas de sardas.
“O homem já passou” ele reclamava entre soluços. “A senhora fez com que eu perdesse o sorvete, justamente quando eu queria tanto tomar um sorvete. Por que não veio quando lhe chamei?”
“Uai, meu bem, eu lhe disse um instante, assim como você sempre responde para mim,” mamãe respondeu, mantendo sua voz e o rosto sério.
De repente Kevin parou de chorar e virou-se para ela, com os olhos arregalados. “Assim que a senhora e o papai ficam quando eu não atendo?” Ele perguntou.
“É sim filho. Você está percebendo como é desagradável esperar e como prejudica a gente?”
“Desculpe mamãe. Vou fazer esforço para nunca mais responder “um instante”. Vou procurar atender logo que a senhora me chamar.”
10- “Que ótimo Kevin! Você não acha que devemos pedir a Jesus que Ele ajude você a obedecer, mesmo quando queira continuar com aquilo que está fazendo?”
Ali mesmo, debaixo da macieira, Kevin e sua mãe se ajoelharam. Kevin pediu perdão ao Senhor Jesus por ter sido egoísta e por não ter obedecido prontamente aos seus pais. Pediu também que Jesus o ajudasse a obedecer no futuro.
Ao levantarem, mamãe disse: “Vamos lá dentro Kevin. Se não me engano, temos sorvete de chocolate no congelador.”
11- De fato havia sorvete de chocolate, e mamãe deu um sorvete duplo para Kevin, dentro de uma casquinha. Sorriram um para o outro, e mamãe tinha certeza de que Kevin estava entendendo e aprendendo a lição de obediência.
Você sempre obedece prontamente à mamãe e o papai? Deus manda aos filhos que sejam obedientes aos pais. (Ef. 6:1)
E quem ainda não recebeu Jesus como Salvador, está desobedecendo ao convite: “Vinde a Mim.” (Mt. 11:28) A Bíblia diz em II Cor. 6:2, “Eis agora o dia da salvação.” Você não deve deixar para mais tarde. Se ainda não recebeu Jesus como seu Salvador e quer recebê-lo hoje, venha conversas comigo agora no fim da aula, quando as outras crianças vão saindo. Quero ajudar a orar, convidando Jesus para ser seu Salvador.
Talvez haja alguém que queria agradar a Jesus durante esta semana passada, mas você falhou assim como Kevin fazia. Você não quer entregar-se inteiramente ao Senhor Jesus, pedindo que Ele lhe dê a vitória sobre o pecado e faça sua vida semelhante à vida dELE? Se você quer, também poderá ficar para conversar comigo durante uns minutos.











0 comentários:

Postar um comentário

 

Total de visualizações de página

Related Posts with Thumbnails

Pequeninos de Jesus Copyright © 2009 Flower Garden is Designed by Ipietoon for Blogger Template Gallery Flower Image by Dapino